'Um Sinal para Deus'

    'Um Sinal para Deus'
    No Guia para Estudo das Escrituras, lemos que, em parte, a palavra “sinal” significa um “acontecimento ou experiência que as pessoas consideram como evidência ou prova de alguma coisa”. Normalmente, associamos a palavra sinal àquelas evidências que Deus nos dá de Seu amor para conosco, de Sua existência ou de Seu grande poder, além de outras. 
    Elder Aidukaitis.jpg

    Entretanto, observem que ao Profeta Moisés o Senhor ensinou: “Certamente guardareis meus sábados; porquanto isso é um sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica” (Êxodo 31:13). 

    Portanto, podemos concluir que assim como Deus pode mostrar sinais aos que creem, os que creem podem mostrar a Deus os sinais de sua devoção e fidelidade para com Ele. Um desses sinais é a observância do Dia do Senhor. 

    Ao Profeta Joseph Smith, o Senhor enfatizou o seguinte sobre o Dia do Senhor: “E para que mais plenamente te conserves limpo das manchas do mundo, irás à casa de oração e oferecerás teus sacramentos no meu dia santificado; porque em verdade este é um dia designado para descansares de teus labores e prestares tua devoção ao Altíssimo (…). Lembra-te, porém, de que no dia do Senhor oferecerás tuas oblações e teus sacramentos ao Altíssimo, confessando teus pecados a teus irmãos e perante o Senhor. (…) E se fizerdes estas coisas com ação de graças, (…) com o coração feliz e o semblante alegre—Em verdade eu digo que, se isso fizerdes, a plenitude da Terra será vossa” (D&C 59:9–16, grifo do autor). 

    “E para que mais plenamente te conserves limpo das manchas do mundo, irás à casa de oração e oferecerás teus sacramentos no meu dia santificado; porque em verdade este é um dia designado para descansares de teus labores e prestares tua devoção ao Altíssimo (…). Lembra-te, porém, de que no dia do Senhor oferecerás tuas oblações e teus sacramentos ao Altíssimo, confessando teus pecados a teus irmãos e perante o Senhor. (…) E se fizerdes estas coisas com ação de graças, (…) com o coração feliz e o semblante alegre—Em verdade eu digo que, se isso fizerdes, a plenitude da Terra será vossa”

    Essa revelação maravilhosa demonstra o amor que Deus tem por seus filhos. Em Sua presciência de nossas necessidades mais prementes nos dias de hoje, o Senhor promete aos que oferecem esse sinal de devoção — a observação fiel do Dia do Senhor — conservá-los mais plenamente limpos das manchas do mundo e dar-lhes da plenitude da terra.  Quem é o indivíduo, ou o pai ou a mãe, que não gostaria dessas bênçãos derramadas sobre si ou sobre os seus por gerações? Eu certa­mente quero essas bênçãos para mim, para meus filhos e para todas as minhas gerações futuras. 

    Lembro-me de uma ocasião em que eu ainda era uma criança da Primária e estávamos aprendendo sobre o Dia do Senhor. Essa aula aconteceu bem no final do ano. Um amiguinho da Primária disse, bem feliz, que durante o ano inteiro não tinha faltado a nenhuma reunião sacramental. Eu imediatamente fiz um exame mental e percebi que tinha faltado a uma ou duas reuniões, por motivos que não consigo mais recordar, mas lembro-me também de que fui inspirado em minha mente a fazer uma meta pessoal naquela hora, mesmo sendo uma criança, de que faria um grande esforço para não faltar nunca mais a uma reunião sacramental. 

    Não sei se fui perfeito na observância daquela meta, mas não consigo me lembrar das vezes que eu tenha faltado. Além disso, ensino a meus filhos que devemos observar esse santo dia da maneira estabelecida pelo Senhor. Faço isso não só porque quero ser obediente a Deus, mas também porque quero para nós as bênçãos de que, de alguma forma, nos conservaremos mais limpos das manchas do mundo e receberemos da plenitude da Terra. Não é isso que qualquer pai ou mãe, que ama sua família, iria querer para seus filhos e para as futuras gerações sem fim? 

    Recordo-me de que houve ocasiões em que foi necessário viajar grandes distâncias para não falhar nessa meta, pois a igreja ficava longe de onde estávamos. Em outras ocasiões, nós nos encontrávamos em um lugar onde ninguém nos conhecia ou era um dia de conferência. Ninguém perceberia nossa falta se não fôssemos à igreja. Mesmo assim não falhamos. E eu sabia que Deus sabia que não havíamos falhado. 

    Agradeço a Deus pelo pensamento e sentimento que tive naquela aula da Primária, há tantos anos, e agradeço também aos que me ensinaram sobre a importância de observar o Dia do Senhor desde pequeno. Penso que Deus cumpriu em minha vida a promessa aos que observam esse dia. Sou grato a Ele por essas bênçãos. 

    Espero que Ele continue aceitando meu sinal de devoção ao observar Seu dia santificado, cada semana. Espero que as futuras gerações de minha família também o façam. 

    Convido todos a exercerem seu arbítrio oferecendo o mesmo sinal a Deus, de que O amam e O seguem, observando o Dia do Senhor da melhor maneira que podem, até o fim de sua vida. Oro para que tenhamos força e determinação para assim o fazer. 

    * O Élder Marcos A. Aidukaitis é o Segundo Conselheiro na Presidência da Área Brasil.