Ter a Luz da Vida

    Ter a Luz da Vida
    Ao curar pessoas cegas durante Seu ministério, o Salvador, que declarou na Festa dos Tabernáculos: “Eu sou a Luz do Mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida” (João 8:12), nos ensina grandes lições. A luz de Cristo, diferentemente da luz do sol, sempre revela as imagens celestiais necessárias para nossa exaltação.

    Em Betsaida, amigos de um cego pediram que Cristo o tocasse. O Salvador, pela fé de seus amigos e não necessariamente dele, pegou o cego pela mão e o levou para fora da aldeia, o que talvez exigiu uma longa caminhada até sair da cidade. Nessa jornada, o Senhor teve tempo para ensiná-lo enquanto juntos caminhavam para fora do mundo. Que experiência maravilhosa ser conduzido pela mão do Mestre para um lugar seguro. Que desejo há em minha alma de caminhar e aprender com Ele nessas caminhadas sagradas durante nossa vida para fora de nossa aldeia. Jesus, então, naquele lugar isolado, calmo e santo, fora da aldeia, untou os olhos do cego com saliva e o abençoou com a imposição das mãos, mesmo assim o cego não foi curado plenamente, pois disse: “Vejo os homens; pois os vejo como árvores que andam” (Marcos 8:24). Mesmo Cristo sendo Onipotente, não é possível fazer milagres sem que tenhamos fé absoluta, que significa saber não somente que Deus pode curar, mas que Ele vai curar. Não é possível receber as bênçãos plenas dos convênios sem que os entendamos profundamente e os vivamos plenamente. O Senhor, o Cristo Vivo, cheio de amor, nunca desiste de nós. Então, o Salvador o abençoou novamente, pôs as mãos sobre seus olhos e o fez olhar para cima. Assim, o cego curado passou a ver claramente. Depois disso, Jesus ordenou: “Nem entres na aldeia” (Marcos 8:26).

    Ele abençoou o cego novamente e está disposto a nos abençoar quantas vezes sejam necessárias. Ele está de braços abertos dizendo: “Vinde a mim” (Mateus 11:28).
    Mesmo que nossos amigos intercedam e orem por nós, temos que ter a humildade de permitir que Cristo nos pegue pela mão e nos conduza muitas vezes para fora de nossa aldeia, pois já devíamos ter saído dela há muito tempo. A aldeia muitas vezes é a transgressão e a desobediência ou a busca dos conceitos e das filosofias mundanas, o materialismo, as posições, os títulos, as posses terrenas pelos motivos errados em detrimento da busca espiritual e de servir ao Senhor, negligenciando o que é sagrado e a verdadeira devoção ao Senhor. Em outros casos, a aldeia é o orgulho de manter nosso ponto de vista, não focarmos em nossas semelhanças, mas nas diferenças, é nos sentirmos superiores, criticar em vez de elogiar, não sermos misericordiosos, assimilarmos com facilidade as filosofias dos homens e com dificuldade as palavras dos profetas. Às vezes, nossa aldeia é a tristeza, a solidão, a incerteza, as fraquezas de nossa alma, a dor e o fracasso. Temos que ouvir o que o Senhor nos ensinar nesse caminho de saída de nossa aldeia caminhando com o Mestre para o consolo, a paz, o sucesso e a bênção. Temos que olhar para o céu, pois nosso relacionamento com nosso Pai Celestial é que nos salvará e dará a visão do que temos que ver e fazer. Acima de tudo, purificará nosso coração. Lembre-se que Cristo sempre nos revela o Pai, por isso Ele fez o homem cego olhar para cima. Temos realmente olhado para cima?

    Para um jovem, a missão, a frequência ao templo, a Igreja, as classes de seminário, o FSY, o casamento no templo e os filhos são algumas das maravilhosas saídas da aldeia. Cristo tem missões, chamados, ensinamentos para todos em seus caminhos nesta Terra. Vamos permitir a Ele nos tirar de nossa aldeia.

    Vivamos na aldeia sem nunca pertencer a ela. Não somos do mundo.

    Quantas vezes, pessoas queridas nos pegaram pela mão, como sendo as mãos do Mestre, e com carinho nos tiraram de nossa aldeia da tristeza e nos abençoaram, alegraram, consolaram e nos ajudaram a ver claramente. Sejamos como eles, as mãos do Mestre. Hoje é o grande dia do resgate!
    Testifico que é muito bom sair de nossa aldeia para as difíceis situações que o Senhor deseja que vivamos para sermos santificados enquanto servimos a Ele em uma vida consagrada.

    Permitamos a Ele nos tomar pela mão, nos tirar de nossa aldeia, abençoar-nos com chamados, oportunidades de servir e de instruir. Vamos cumpri-los com amor e excelência e depois perguntar qual é a próxima missão, designação, e depois qual a próxima e continuarmos servindo ao Senhor enquanto vivermos com humildade e de todo o coração, amor e caridade pelos nossos semelhantes! Assim, teremos a visão gloriosa do Mestre, compreenderemos o propósito desta vida e da eternidade e seremos um com Ele.

    Bênção maior é ser Suas mãos tirando nossos amigos da aldeia, levando-os a Cristo, implorando com grande fé para que eles sejam curados. Você já orou para o Senhor curar seu amigo?

    Que definitivamente não voltemos para a aldeia do mundo, mas que vivamos na Sião celestial.

    Testifico da realidade viva de Jesus Cristo e que Ele realmente pode nos conduzir com Sua mão e responder a nossa oração.
     
    Elder_Antunes.jpg